terça-feira, 25 de junho de 2013

FICHA DO 6°ANO 

O QUE É FILOSOFIA?          


(Mafalda do cartunista argentino Quino)

Acima temos duas tirinhas de Mafalda, menina questionadora por natureza, perguntando a seu pai o que vem a ser filosofia. No primeiro quadrinho, Mafalda sabe que a pergunta vai demorar bastante a ser respondida e traz uma pequena mesa, em seguida traz uma cadeira um copo e uma jarra de água. Mafalda no primeiro quadrinho pressente que a resposta a tal pergunta será demorada e por isso traz todas essas coisas. Já no segundo quadrinho, vemos que o pai da garotinha tem vários livros ao seu redor e isso mostra o quanto o pai dela está tendo dificuldades de responder “o que é filosofia”. Não é à toa que se mostra no quadrinho a dificuldade em definir o que é a filosofia. É difícil tanto para uma criança quanto para um adulto entender o que é filosofia. Até mesmo para estudantes e professores dessa disciplina, (como este humilde professor de filosofia que vos fala) definir com toda a certeza o que é filosofia até porque muitos pensadores tentaram fazê-lo e deram, portanto, definições diferentes. Immanuel Kant, filósofo alemão do século XVIII afirmava que “não se ensina filosofia mas, a filosofar. Já Merleau-Ponty (lê-se “Merlou Pontí) filósofo do século XX, dizia que “filosofar é reaprender a ver o mundo.
Vamos tentar explicar essas duas famosas frases. Kant queria dizer que filosofia é uma disciplina que envolve uma POSTURA. E que postura é essa? É a POSTURA CRÍTICA que é a maneira racional de lidar com o conhecimento, sempre buscando entender mais a fundo o conhecimento verdadeiro e não se conformando com explicações incompletas ou que nos aguce a curiosidade de ir além das explicações.
Nós estamos acostumados na escola, ouvir o que nosso professor explica acerca de sua disciplina, a estudar os conteúdos e, nas avaliações, responder as questões de acordo com o que foi visto em sala de aula. É claro que isso é essencial ao nosso aprendizado estudar o que grandes pensadores e cientistas realizaram. Mas, muitas vezes ficamos curiosos e queremos ir a fundo naquilo que nos é ensinado. Por exemplo, o professor de filosofia está dando uma aula sobre o filósofo Platão. O professor fala que Platão foi um filósofo grego que foi um dos maiores pensadores de todos os tempos pois, a sua maneira de pensar, influencia até hoje em como se faz ciência. Alguns alunos vão memorizar e anotar o que o professor falou. Outros vão perguntar ao professor: “mas, querido professor, quais foram os pensamentos que fizeram com que Platão fosse tão importante”? E o professor tentará, com muito boa vontade, comentar sobre tal pergunta. Essa postura do aluno que pergunta e, tenta conhecer mais, é a postura questionadora e filosófica.
            No programa de televisão Castelo Rá-Tim-Bum, existe um personagem de nome Zequinha, que questiona tudo à sua volta. Ele não se contenta com as explicações lhe dão e sempre pergunta o porquê das coisas serem da maneira como explicam e com isso, tenta chegar a um conhecimento mais aprofundado.
A atitude de Zequinha pode ser comparada com a atitude do filósofo que se pergunta sobre tudo, nunca se conformando com respostas incompletas.
Por isso que não se ensina filosofia, ensina-se a filosofar, ou seja, se ensina a ter uma postura crítica diante daquilo que nós aprendemos sobre o mundo.
            Vimos no período passado que os povos antigos tinham uma maneira diferente de lidar com a natureza: pensavam que as mudanças climáticas, as cheias das marés, e tudo no mundo estava diretamente relacionado com a vontade dos deuses. Se determinado deus estivesse zangado, poderia mandar tempestades e cheias para a terra. Se estivesse de bom humor, permitir um bom clima. Com o passar dos tempos, a consciência mudou e eles passaram a não mais atribuir as mudanças ocorridas no mundo à vontade dos deuses, ou seja, as pessoas passaram a dar mais atenção aos questionamentos racionais. Mas, vale lembrar que historicamente, admitimos que o povo que rompeu primeiramente com a visão mítica das coisas foram os gregos. Mas, a passagem da visão mitológica para a racional não se deu de uma hora para a outra. Alguns fatores contribuíram para tal acontecimento:
* Viagens marítimas – navegando por territórios antes desconhecidos os gregos perceberam que as criaturas imaginárias criadas pela mitologia grega não eram reais e que também não existiam deuses em outras regiões, como sugeria a mitologia e sim seres humanos. Também concluíram que os mares não eram moradia de monstros e outros seres. Com as viagens o mundo perdeu seu caráter mítico ou lendário, os exploradores descobriram um mundo repleto de belezas e conhecimentos, seu surgimento foi sendo esclarecido pouco a pouco, mistério este que a mitologia já não conseguia explicar.
* Invenção do calendário – Os gregos aprenderam que era possível contar o tempo das estações do ano, definindo quando e de que forma aconteciam as mudanças do clima e do dia, notando que o tempo passava por transformações espontaneamente e não por intervenções divinas.
*A invenção do alfabeto que permitia com que os gregos se expressassem com mais clareza
*A praça pública na Grécia – Havia na Grécia antiga um local chamado Ágora que era a praça principal da cidade onde as pessoas debatiam os mais diversos assuntos.
Diante dessas circunstâncias, vemos o nascer da filosofia que chega timidamente na vida dos gregos, substituindo a forma mítica de se fazer conhecimento para a forma mais racional e científica. O conceito de natureza é modificado a partir da filosofia: se antes a natureza era vista como encantada e cheia de deuses, com o início do pensar filosófico, os homens passaram a tratá-la como objeto de estudo e questionamentos.
            O campo os quais os primeiros filósofos irão focar suas pesquisas é na NATUREZA. A natureza, como foi dito antes, era vista de maneira fantástica e povoada por deuses que a governavam. Vejamos abaixo, quem foi, segundo os historiadores, o primeiro filósofo.

TALES DE MILETO, O PRIMEIRO FILÓSOFO
(TUDO VEIO DA ÁGUA)

Este filósofo pré-socrático é considerado o pai da filosofia ocidental. Descendente dos fenícios, ele nasceu em uma ancestral colônia da Grécia, Mileto, localizada na Ásia Menor, atualmente conhecida como Turquia, aproximadamente entre 624 e 625 a.C.
            Tales é apontado como um dos sete sábios da Grécia Antiga. Além disso, foi o fundador da Escola Jônica (Escola de filosofia que se situava num lugar chamado Jônia). Considerava a água como sendo a origem de todas as coisas, e seus seguidores, embora discordassem quanto à “substância primordial” (que constituía a essência do universo), concordavam com ele no que dizia respeito à existência de um “princípio único" para essa natureza primordial. Talvez Tales tenha dito que a água era o princípio de tudo por observar que todas as coisas vivas dependem de água para existir.
Hoje podemos achar até bobo a ideia de Tales de que todas as coisas vinham da água. Porém, como dizia Nietzsche, a importância de tal ideia é a de que foi a primeira a romper com a explicação mitológica da natureza.
Tales foi o primeiro a explicar o eclipse solar, ao verificar que a Lua é iluminada por esse astro. Segundo Heródoto, ele teria previsto um eclipse solar em 585 a.C. Segundo Aristóteles, tal feito marca o momento em que começa a filosofia. Os astrônomos modernos calculam que esse eclipse se apresentou em 28 de Maio do ano mencionado por Heródoto.
Se Tales aparece como o iniciador da filosofia, é porque seu esforço em buscar o princípio único da explicação do mundo não só constituiu o ideal da filosofia como também forneceu impulso para o próprio desenvolvimento dela.



Questões para serem respondidas no CADERNO valendo 1.0 ponto na nota:

1)    Você acha que dizer o que é filosofia é fácil ou difícil? Justifique sua resposta.
2)    Se adotarmos uma postura filosófica diante do mundo nós iremos adotar a postura crítica ou não vamos questionar sobre nada? Justifique sua resposta
3)    Em que a atitude de Zequinha pode ser comparada com a atitude do filósofo?
4)    Qual a diferença da maneira mitológica e a maneira filosófica de enxergar a natureza?
5)    Podemos dizer que a maneira mítica e filosófica de conceituar natureza se diferem em que?
6)    Porque tales é considerado o primeiro filósofo?
7)    Porque a água é considerada a origem de todas as coisas segundo Tales?

8)    Segundo Nietzsche, qual é a importância do pensamento de Tales?


Nenhum comentário:

Postar um comentário